Início
Títulos por editor: Livros do Brasil
Foram encontrados 116 registos

              Fazer nova pesquisa
1 Lynx  -  KIPLING, Rudyard
O segundo livro da selva / Rudyard Kipling . - Lisboa : Livros do Brasil, 2007. - (Edições Especiais Ilustradas, 16)
O Segundo Livro da Selva dá sequência a O Livro da Selva, já anteriormente editado pela Livros do Brasil. Ninguém deveria ser autorizado a chegar à idade adulta sem ter previamente lido estes dois livros. Publicadas em 1884-85, as suas histórias conservam de facto todo o seu encanto. Kipling alimenta as fantasias de quase toda a gente (independentemente da idade que tenha), com as aventuras do jovem Mowgli (de que aqui se podem ler mais cinco episódios) e a descrição da sua relação com os diversos animais da floresta. Estas duas obras constituem, além do mais, uma extraordinária visão da vida selvagem, embora os bichos que lhes servem de protagonistas sejam quase sempre tratados de forma antropomórfica, com reacções frequentes vezes muito próximas das dos humanos. É também nisso que reside muito do seu encanto, e as torna narrativas que, à distância de mais de um século, continuam a encantar crianças e adultos.


  KIPLING, RUDYARD   RUDYARD KIPLING   CDU 82-3
2 Lynx  -  GAY, William
Domínios da noite / William Gay . - Lisboa : Livros do Brasil, 2007. - (Dois Mundos, 275)
Domínios da Noite é um grande romance sobre a vida no interior do Sul dos Estados Unidos, uma história de violência e redenção cujo inesquecível final, mais do que um fim, é uma apoteose. Estamos em 1952, e E. F. Bloodworth, um músico de blues, decide finalmente voltar a casa, em Ackerman's Field, no Tennessee, após trinta anos de ausência. Mas dois dos seus filhos não estarão lá para o receber. Warren tornou-se um alcoólico, e vive uma existência promíscua no Alabama, e Boyd foi para Detroit atrás da mulher e do homem com quem ela fugiu, para tentar matar este último. O terceiro filho, Brady, vive ainda na velha casa da família, mas é agora um vidente semi-tonto, que faz tudo o que está ao seu alcance para impedir que o pai se encontre com a mulher que abandonou há trinta anos atrás. Só Fleming, o neto, fica feliz com o seu regresso, mas a vida deste último irá em breve seguir uma direcção imprevista, determinada por Raven Lee Halfacre, uma jovem de dezasseis anos que é a mais bela rapariga das redondezas.


  GAY, WILLIAM   WILLIAM GAY   CDU 82-3
3 Lynx  -  FOUCAULT, Michel
É preciso defender a sociedade / Michel Foucault . - Lisboa : Livros do Brasil, 2007. - (Rupturas, 2)
No curso de 1976, «É Preciso Defender a Sociedade», Michel Foucault interroga-se sobre a pertinência do modelo da guerra para analisar as relações de poder. Foucault define duas formas destas relações: o poder disciplinar, que se exerce sobre o corpo mediante técnicas de vigilância e instituições punitivas, e aquilo a que doravante chamará o «bio-poder», que se exerce sobre a população, a vida e os vivos. Analisando os discursos sobre a guerra das raças e as histórias de conquista (nomeadamente em Boulainvilliers), Michel Foucault estabelece a genealogia do bio-poder e dos racismos de Estado. A lógica das relações entre poder e resistência não é a do direito, mas a da luta: não pertence ao domínio da lei, mas ao da estratégia. O problema é então saber se deve inverter-se o aforismo de Clausewitz e considerar que a política é a continuação da guerra por outros meios. O curso que aqui se apresenta foi ministrado entre Janeiro e Março de 1976, no Collège de France, ou seja entre a publicação de Surveiller et Punir e a de La Volonté de Savoir. E constitui por isso um dos momentos essenciais do percurso teórico de Michel Foucault.


  FOUCAULT, MICHEL   MICHEL FOUCAULT   CDU 3
4 Lynx  -  STEINBECK, John
A taça de ouro / John Steinbeck . - Lisboa : Livros do Brasil, 2007. - (Obras De John Steinbeck, 1)
Publicado em 1929, A Taça de Ouro foi o romance de estreia de John Steinbeck, e constitui ainda hoje para muitos dos seus leitores uma obra de culto. Trata-se de um romance histórico, longinquamente inspirado na vida do corsário Henry Morgan, e centrado no episódio do saque da cidade do Panamá, por alguns designada como a «taça de ouro». Henry Morgan dominou o Mar das Caraíbas por volta de 1670, semeando a destruição e pilhando as costa de Cuba e do continente americano, e espalhando o terror por onde quer que passasse. A sua ambição e a sua ânsia de poder não tinham limites, e duas paixões absorviam-no por inteiro: possuir uma mulher misteriosa conhecida como La Santa Roja, a santa vermelha, e conquistar o Panamá para subtrair a «taça de ouro» das mãos dos seus ocupantes espanhóis. Originalmente subintitulado «Uma vida de Sir Henry Morgan, corsário, com ocasionais referências à História», esta brilhante fantasia, de um lirismo quase barroco, veio a ser o único romance histórico jamais escrito por John Steinbeck.


  JOHN STEINBECK   STEINBECK, JOHN   CDU 82-3
5 Lynx  -  FERREIRA, Reinaldo
Memórias de um chauffeur de taxi / Reinaldo Ferreira . - Lisboa : Livros do Brasil, 2007. - (Vampiro, 700)
Reinaldo Ferreira, o famoso «Repórter X», é indubitavelmente o primeiro escritor policial português digno desse nome. Além das "reportagens sensacionais" que o celebrizaram, muitas são as suas obras de cariz detectivesco dispersas por jornais e magazines ou publicadas em brochuras. Quase todas elas estão, hoje em dia, injustamente esquecidas. Prestando homenagem ao talentoso e imaginativo criador do Dr. Duque, "o cartomante do raciocínio", de "Kiá", do major Calafaia e de tantos outros rivais lusitanos de Sherlock Holmes e de Nero Wolfe, a "Colecção Vampiro" - para comemorar condignamente o seu n.º 700 e o início do seu 60.º ano de existência - apresenta ao leitor as "Memórias" do Juca, pitoresco taxista alfacinha que, neste livro, narra os casos mais extraordinários e intrigantes com que entrou em contacto, primeiro por acaso do ofício e, depois, como interventor sagaz e empenhado. É toda a Lisboa dos "loucos anos 20" que perpassa pela obra, com os seus clubes nocturnos, os seus cavalheiros de indústria, os seus mistérios, os seus escândalos. Profundo conhecedor da cidade, Juca sempre que fareja o Insólito, não descansa enquanto não desenreda a meada, com uma astúcia e uma desenvoltura que fariam inveja a muito detective lá de fora, criado pelos grandes cultores do género e popularizado em todo o mundo. Em complemento, o leitor será transportado à "Ilha dos Ladrões" para assistir a um Congresso de Alta Gatunagem internacional, em que Reinaldo Ferreira faz intervir Fantômas, Raffles, Arsène Lupin e outros ilustres "amigos do alheio" - entre os quais o também lisboeta "Fresquinho" que, de forma elucidativa, ensina aos colegas o que é o muito nosso "conto do vigário".


  FERREIRA, REINALDO   REINALDO FERREIRA   CDU 82-312
6 Lynx  -  MAI, Mukhtar
Desonrada / Mukhtar Mai . - Lisboa : Livros do Brasil, 2007. - (Outras Edições, 60)
Junho de 2002. Mukhtar Mai tem 28 anos, e vive numa aldeia do leste do Paquistão. O seu irmão mais novo, de apenas doze anos, terá sido visto com uma rapariga de outro clã. O tribunal da aldeia reúne-se de imediato. E porventura pela primeira vez na história, um auto-intitulado tribunal vai pronunciar esta sentença terrível: Mukhtar Mai é condenada a ser violada, em reparação do crime supostamente cometido pelo irmão. A pena é executada. Violada, humilhada, desonrada, Mukhtar poder-se-ia então ter suicidado, como tantas outras mulheres o têm feito em situação idêntica. Assumindo todos os riscos, decide contudo que é preciso contar o que lhe fizeram. Desde a sua longínqua aldeia paquistanesa, a sua voz comoverá o mundo inteiro. O seu apelo é ouvido e suscita um imenso movimento de solidariedade. Mukhtar decide permanecer na sua aldeia e construir aí uma escola. «É através da educação que poderemos pôr termo a estas acções bárbaras», repete ela. Desonrada é um testemunho extraordinário. Hoje, Mukhar Mai tornou-se um modelo para todos os que, no Paquistão e noutros lugares do mundo, se batem contra as violências de que, um pouco por toda a parte, as mulheres são diariamente vítimas.


  MAI, MUKHTAR   MUKHTAR MAI   CDU 82-3
7 Lynx  -  PRATAS, Fernanda
A vida das palavras / Fernanda Pratas . - Lisboa : Livros do Brasil, 2007. - (Vida E Cultura, 179)
Curiosamente, muitas das personagens incluídas neste volume morreram do coração. Atravessaram guerras, abraçaram ideais, revoltaram-se, participaram, desiludiram-se. De uma forma ou de outra, os seus percursos atormentados aproximaram-nas do essencial. Podemos segui-los linha a linha nos livros e documentos que deixaram. Imperativo comum: usar das palavras como modo de vida. Depois, cada um descobriu a sua própria gramática para essa relação. Por exemplo, Patricia Highsmith associava a escrita ao prazer, que incluía também cigarros, café, bolinhos. Charles Dickens estabeleceu para si uma disciplina rígida, separando as intensas horas a escrever dos momentos de lazer com que tentava apaziguar demónios interiores. Alberto Moravia começou por escrever na cama, com o tinteiro aninhado sobre os lençóis. Sommerset Maugham trabalhava de preferência diante de uma parede branca. Marina Tsvetaeva escrevia a qualquer mesa, em qualquer lugar. Tal como John Steinbeck, que chegava a trabalhar dez horas por dia numa escrivaninha qualquer. Isaac Asimov matraqueava as teclas da sua máquina de escrever a uma velocidade imbatível, desde madrugada até à noitinha. Fiódor Dostoiévski até numa prisão na Sibéria tomou notas que depois converteu em romance. E Oscar Wilde escreveu também na prisão, entre trabalhos forçados. Tal como os volumes anteriores, À Beira do Abismo (2005) e Beleza Interior (2006), este terceiro volume de biografias seleccionadas entre as publicadas ao longo de cinco anos na revista XIS poderia, naturalmente, dispensar uns nomes e incluir outros. Seria sempre, no entanto, uma lista arbitrária. Com o mesmo denominador comum: a vertigem que extraímos do conjunto, as diversas paixões da alma, as perplexidades da condição humana, a persistência da memória. "Estes retratos de gente que lidou e trabalhou com palavras e viveu em função do poder que as palavras (e, em certa medida, a literatura, na sua maioria) conferiam, revelam-nos vidas múltiplas, vidas estilhaçadas, vidas perfeitas ou incompletas, vidas perturbadas e intranquilas." Francisco José Viegas


  FERNANDA PRATAS   PRATAS, FERNANDA   CDU 82-3
8 Lynx  -  AMARAL, Isabel Ricardo
Os guerreiros da luz e a batalha final / Isabel Ricardo Amaral . - Lisboa : Livros do Brasil, 2007. - (Guerreiros Da Luz, 5)
O momento temido finalmente chegou. A batalha tão aguardada pela Irmandade e temida pelo Inimigo está prestes a iniciar-se e já nada nem ninguém a poderá deter... Agora com a libertação do temível Senhor das Trevas o futuro do planeta está em risco. Brevemente as trevas cobrirão toda a terra...


  AMARAL, ISABEL RICARDO   ISABEL RICARDO AMARAL   CDU 82-3
9 Lynx  -  A MINHA VIDA SECRETA
A minha vida secreta : autobiografia erótica volume 2 . - Lisboa : Livros do Brasil, 2006. - 392 p.. - (O Jardim Das Tormentas)
Uma das mais secretas obras eróticas das publicados anonimamente na Europa, nos finais do século XIX, A Minha Vida Secreta, cujo segundo e último volume agora se apresenta ao público português, singulariza-se não só pela forma enigmática que caracterizou o seu aparecimento e divulgação, como pelo teor das experiências humanas que revela e ainda pelo timbre de uma linguagem que, repudiando as noções e vínculos tradicionais do estilo, a transforma num documento social de extraordinário alcance. Afirmou já alguma crítica responsável que A Minha Vida Secreta é, talvez, um dos livros básicos para a compreensão dos mecanismos sociais na época áurea do Imperaialismo britânico e um dos mais ousados testemunhos da literatura clandestina de todos os tempos.


  CDU 613
10 Lynx  -  ABÉCASSIS, Eliette
Clandestino / Eliette Abécassis . - Lisboa : Livros do Brasil, 2006. - 106 p. ; 14x21cm. - (Dois Mundos)
No cais de uma estação de caminho de ferro, uma jovem funcionária do Estado salva da prisão um homem de aparência sólida, quase brutal, que é na verdade um apátrida, um trabalhador indocumentado. Clandestino é a história do seu encontro e do modo como essas duas pessoas, que tudo parecia separar, vão na verdade relacionar-se. Um relacionamento que nasce sob o signo sombrio dos medos e das imcompreensões gerados por um mundo doravante entregue à obsessão da segurança. Uma história eterna sobre as barreiras que a sociedade impõe ao encontro entre as pessoas, sobre a força do desejo e sobre a solidão que nada permite quebrar.


  ABECASSIS, ELIETTE   ELIETTE ABECASSIS   CDU 82-3
11 Lynx  -  WALLACE, Edgar
O governador / Edgar Wallace . - Lisboa : Livros do Brasil, 2006. - (Vampiro, 696)
De todas as personagens criadas por Edgar Wallace nos mais de cento e setenta livros que nos legou, uma há que os críticos destacam, pelas apuradas faculdades dedutivas que revela nos contos, novelas e romances em que intervém: o tímido e bondoso Mr. John G. Reeder. Ao serviço da Scotland Yard, de associações de bancos ou do Promotor de Justiça, serve-se da sua prodigiosa memória e de raros dotes de inteligência para decifrar os casos mais enigmáticos e tortuosos. Nas duas novelas que integram este livro, um dos últimos escritos pelo seu criador, Mr. Reeder demonstra, uma vez mais, os atributos que fizeram dele um dos mais famosos investigadores da Ficção Policial.


  EDGAR WALLACE   WALLACE, EDGAR   CDU 82-312
12 Lynx  -  CHANTAL, Suzanne
A vida quotidiana em Portugal ao tempo do terramoto / Suzanne Chantal . - Lisboa : Livros do Brasil, 2006. - (Vida Quotidiana, 23)
No dia 1 de Novembro de 1755, por uma bela manhã de Sol, quando os sinos tocavam para a missa, Lisboa foi sacudida por um violento terramoto. A catástrofe emocionou o Mundo e despertou o País do sonho das suas grandezas: o comércio na mão dos ingleses, os ofícios abandonados, as terras em pousio. Neste panorama sombrio ergue-se a figura de Pombal. A vida organiza-se nas ruínas e o ministro de D. José decide dar-lhe novas bases: libertar Portugal da tutela do estrangeiro, de uma nobreza decadente e de um clero todo-poderoso. O quotidiano permanecia, porém, marcado pela sensualidade, pelas superstições e pelo culto do segredo, sendo uma fonte de admirações para os viajantes. Festas galantes alternavam com intrigas tenebrosas e processos cujas proporções trágicas chocavam as consciências. Contudo, a vida quotidiana seguia um ritmo amável e cerimonioso, despreocupado, contraditório: a maior frugalidade aliava-se a uma gulodice refinada, o fausto adaptava-se também ao desconforto, e a dignidade continuava viva, tanto no coração do nobre como no do plebeu. Quadro colorido e aliciante, esta obra vem descrever, com inteligência, sensibilidade e simpatia o dia-a-dia dos homens de todas as classes e condições, num dos períodos mais fecundos da história portuguesa.


  CHANTAL, SUZANNE   SUZANNE CHANTAL   CDU 93
13 Lynx  -  JAMES, Bill
Protecção / Bill James . - Lisboa : Livros do Brasil, 2006. - 2 volumes. - (Vampiro, 695)
O rapto dum garoto de onze anos constitui sempre quebra-cabeças melindroso, em que a polícia tem de agir com enormes cautelas para evitar um desenlace trágico. O caso complica-se quando o pai da criança é uma personagem pouco recomendável, sobre a qual pesam fortes suspeitas de haver corrompido agentes de autoridade. Além disso, impõe-se ainda garantir a segurança do informador. Colin Harpur, o detective criado por Bill James, tem razões de sobra para se sentir pouco à vontade, obrigado como está a seguir por uma vereda estreita, ladeada de precipícios e em que será fatal qualquer passo em falso. ?Protecção? é a palavra-chave e o seu sardónico superior não cessa de lha lembrar. Dentro de tal colete de forças, o detective corre quase tantos riscos como a criança sequestrada por um vingativo rival do pai. Bill James é já um dos mais conceituados autores modernos da Literatura Policial e este livro marca um ponto alto da sua fulgurante carreira.


  BILL JAMES   JAMES, BILL   CDU 82-312
14 Lynx  -  HAIBLUM, Isidore
Mundo de cristal / Isidore Haiblum . - Lisboa : Livros do Brasil, 2006. - (Argonauta, 562)
«Eu sabia o que estava a acontecer. A minha consciência mantinha-se intacta e a funcionar em pleno. Parecia abarcar toda a realidade. Sabia o que estava a acontecer, mas os detalhes eram algo confusos. Não me preocupei com isso. Não me preocupava com nada». Magalone não é localizável em nenhum mapa astral. Mesmo aqueles que já ouviram falar dele não acreditam na sua existência. Quer se trate, porém, de uma dimensão efectiva, ou do produto de uma imaginação delirante, o facto é que Magalone foi invadido por um grupo subversivo que anda a matar toda a gente para obter o segredo do Desestabilizador ? uma verdadeira arma de destruição maciça. Tom Dunjer, chefe da Security Plus, é dos que acredita na sua existência. Foi contratado pelo Dr. Sass para tentar salvar Magalone. Mas chegar até lá não vai ser fácil. E regressar, então, pode vir a revelar-se quase impossível, sobretudo quando Dunjer descobrir o terrível poder do Desestabilizador...


  HAIBLUM, ISIDORE   ISIDORE HAIBLUM   CDU 82-3
15 Lynx  -  FALCONER, Colin
Anastasia / Colin Falconer . - Lisboa : Livros do Brasil, 2006. - (Vida E Aventura, 90)
Xangai, 1921. O jornalista americano Michael Sheridan precipita-se para as águas gélidas do rio Whangpoa, a fim de salvar uma jovem de aparência enigmática que está em risco de se afogar. Anastácia, uma russa branca refugiada, que trabalha em Xangai, tem uma parecença extraordinária com a princesa homónima que consta ter sobrevivido ao massacre da família real russa, levado a cabo pelos revolucionários bolcheviques. O destino da filha mais nova do último czar da Rússia tornou-se um dos mistérios mais intrigantes daquela época. Mas a Anastácia de Michael sofre de amnésia, e só consegue recordar-se do que lhe aconteceu durante o derradeiro ano da sua vida. A fim de esclarecer o enigma do seu passado e da sua identidade, Michael e Anastácia vão então viver uma aventura que os conduzirá das ruas de Xangai aos meios decadentes e boémios da Berlim e da Londres dos anos 20, da nova Rússia comunista à Nova Iorque de antes do crash de Wall Street, em 1929. Michael é o único homem que alguma vez ajudou Anastácia sem jamais ter querido alguma coisa em troca - mas será que ela pode desistir de lutar por um verdadeiro amor? Centrado na turbulenta e romântica década de 20, Anastácia, o mais recente bestseller de Colin Falconer, é uma história de traição e assassínio, de escândalos reais e de intriga financeira - sendo ao mesmo tempo uma das mais belas histórias de amor de todos os tempos.


  COLIN FALCONER   FALCONER, COLIN   CDU 82-3
16 Lynx  -  RATZINGER, Joseph
A minha vida / Joseph Ratzinger . - Lisboa : Livros do Brasil, 2006. - (Vida E Cultura, 176)
"À lenda de São Corbiniano , fundador da diocese de Friesing, fui buscar a imagem do urso. Um urso – segundo narra aquela história – tinha atacado o cavalo do santo que então se dirigia para Roma. Corbiniano censurou-o asperamente por essa maldade e, à laia de punição, colocou-lhe sobre o dorso o fardo que até esse momento fora carregado pelo cavalo. O Urso deveria então transportar o fardo até Roma… E também eu levei para lá tudo o que era meu, e de há vários anos a esta parte caminho com a minha missão e o seu peso pelas ruas da Cidade Eterna." Assim, em finais dos anos 90, concluía o então cardeal Ratzinger a sua autobiografia. Um texto simples, com um estilo próximo do das Confissões de Santo Agostinho ou das Fioretti de São Francisco de Assis, em que descreve uma vida que sempre se deixou guiar pela mão de Deus. Nessa altura, ainda o cardeal Ratzinger desconhecia o que futuro lhe reservava: a entrada no novo milénio ao lado de João Paulo II, a sua eleição para o cargo pontifício com o nome de Bento XVI. Em contrapartida, os sentimentos do seu coração já nessa altura, como hoje, os exprimia através do salmo 73,23-24: Mas eu estou sempre contigo: tu tomaste-me pela minha mão direita. Guiar-me-ás com o teu conselho.


  JOSEPH RATZINGER   RATZINGER, JOSEPH   CDU 282
17 Lynx  -  HIGHSMITH, Patricia
O falsário indeciso / Patricia Highsmith . - Lisboa : Livros do Brasil, 2006. - (Obras Escolhidas de Patricia Highsmith, 8)
Louvada por Graham Greene e considerada como um dos expoentes da ficção de « suspense», Patricia Highsmith, que também se notabilizou como autora de romances policiais, oferece-nos em O Falsário Indeciso um dos seus melhores livros de acção, de mistério e de irónica indagação sobre os destinos do homem. Tudo começa quando Howard Ingham chega à Tunísia no sentido de reunir materiais para um filme cujo produtor, porém, não comparece. Ingham decide, então, escrever um romance que funciona como um contraponto da própria história de Patricia Highsmith. Para alguns críticos é como uma autêntica caixa de surpresas que tanto revela o Bem como o Mal, a Verdade e a Mentira. Uma tensão verdadeiramente soberba, uma extraordinária capacidade para a descrição de fatalidades, para a proliferação da morte e do desastre, fazem de O Falsário Indeciso uma pequena obra-prima de entretenimento e de imaginação.


  HIGHSMITH, PATRICIA   PATRICIA HIGHSMITH   CDU 82-3
18 Lynx  -  STOUT, Rex
Onde está o pai? / Rex Stout . - Lisboa : Livros do Brasil, 2006. - (Vampiro, 694)
Amy Denovo desconhece o nome do pai, mas, quando a mãe morre, atropelada por um carro cujo condutor se põe em fuga, vem a saber que, desde que nascera, alguém lhe enviara, todos os meses, um cheque de mil dólares. Sempre pronto a prestar auxílio a uma mulher bonita, Archie Goodwin consegue que Nero Wolfe aceite a difícil tarefa de descobrir o pai da jovem ? e tem início um dos mais curiosos e intrincados casos do famoso investigador. Quem será o pai de Amy? A mãe não o revela na carta que lhe deixou e, nos seus papéis e álbuns, nada há que permita identificá-lo. E quem atropelou Elinor Denovo? As testemunhas nem sequer chegam a acordo quanto à marca e cor do automóvel. Em ?Onde está o pai?? vamos encontrar Rex Stout no apogeu da sua brilhante carreira de escritor policial, cimentada ao longo de três décadas de êxitos sucessivos.


  REX STOUT   STOUT, REX   CDU 82-312
19 Lynx  -  ABÉCASSIS, Eliette
A última tribo / Eliette Abécassis . - Lisboa : Livros do Brasil, 2006. - (Suores Frios, 17)
A Última Tribo retoma as aventuras do jovem judeu ortodoxo Ary Cohen, que o leitor já encontrou no romance anterior de Eliette Abécassis, O Tesouro do Templo, recentemente publicado com grande sucesso pela Livros do Brasil. Encarregado pelo Mossad, os serviços secretos de Israel, de ir ao Japão investigar a morte de um homem aí ocorrida há mais de dois mil anos, Cohen, acompanhado pela agente da CIA Jane Rogers, por quem está apaixonado, mergulha num universo inquietante, numa teia de enigmas em que acabará por compreender que japoneses e hebreus têm uma origem comum, que os japoneses são mesmo um povo descendente de uma das tribos perdidas de Israel, e que o xintoísmo, a religião originária do Japão, não é mais do que uma variante do judaísmo.


  ABECASSIS, ELIETTE   ELIETTE ABECASSIS   CDU 82-3
20 Lynx  -  GOUREVITCH, Danielle ; RAEPSAET-CHARLIER, Marie-Thérèse
A vida quotidiana da mulher na Roma Antiga / Danielle Gourevitch, Marie-Thérèse Raepsaet-Charlier . - Lisboa : Livros do Brasil, 2006. - (Vida Quotidiana, 47)
Gladiadoras, comerciantes, chefes de empresa, parteiras, prostitutas, feiticeiras ou camponesas? estes eram apenas alguns dos ofícios exercidos pelas mulheres na Roma antiga. Apesar de os romanos só serem capazes de imaginar as suas mulheres no interior da casa, presas ao trabalho doméstico, elas ocupavam-se frequentemente de muitas outras coisas. A realidade ultrapassa, por vezes, não só a ficção, como a própria ideologia. Contudo as mulheres romanas mantiveram-se oficialmente excluídas da vida política, e jamais adquiriram direito à expressão pública das suas ideias: mesmo quando sabiam escrever não eram autorizadas a publicar, e as suas obras são-nos ainda hoje, muitas vezes, desconhecidas. É pois através dos textos escritos pelos homens que é possível descobrir o que foi a vida das romanas. As autoras deste livro levaram a cabo um verdadeiro inquérito para descobrir a realidade dessas mulheres. Pois que, ainda que alguns nomes brilhantes, trágicos ou sinistros, subsistam na memória colectiva ? Agripina, Octávia, Lívia, Messalina ? a maioria delas deixou apenas indícios dispersos, peças de um puzzle que a obra procura reconstituir.


  DANIELLE GOUREVITCH   GOUREVITCH, DANIELLE   MARIE-THERESE RAEPSAET-CHARLIER   RAEPSAET-CHARLIER, MARIE-THERESE   CDU 93

Resultado  
 20 seguintes  Fim
Formato  Criar ficheiro de texto
 Ver registos seleccionados
 Versão para imprimir
 Abreviar as referências
 Enviar por email
   Fazer nova pesquisa

Powered by SIRIUS

Escaparate é um serviço da BookMARC para a comunidade do livro